Segurança da (sua) Informação é o Maior Ativo

Tecnologia adiante do tempo: a nova revolução das máquinas

Posted by maiorativo em 17 de junho de 2010

A nova revolução das máquinas já está (quase) pronta.

Você já parou para pensar como a tecnologia nos é entregue?

Podemos dizer que ela vem dentro de uma estratégia mercadológica onde os departamentos Comerciais e Marketing cada vez mais se esmeram o quanto podem para nos seduzir, seja em qualquer nicho de mercado, lançando uma gama de produtos e subprodutos. Vamos nos ater à indústria de computadores, softwares e hardwares, que a tudo permeia no nosso dia a dia.

No meio dos anos 90 eu trabalhava em uma grande empresa varejista, com cobertura em todo o território nacional. Era, dentre outras coisas, administrador de redes, e já possuía contato muito próximo com todos os grandes players do mercado. À época, possuíamos a maior base instalada de Lotus Notes na América Latina, com mais de 100 servidores espalhados pelo Brasil, interligados via modem e depois via satélite, da mesma forma que o parque de máquinas possuía um vasto leque de servidores e desktops Compaq, Unisys e IBM.

O mercado estremeceu quando, em uma demonstração de cobiça e poder, a Compaq comprou a DEC (Digital Equipment Corporation) por alguns bilhões de dólares. O interesse estava tão somente na plataforma Alpha, que possuía, então, máquinas com clock já rodando a 1 GHz, em barramento de 64 bits, e, em laboratório, já estavam preparadas para rodarem a 3 GHz.

Notem que estou falando lá dos idos de 1998 quando se deu toda a transação comercial entre as duas mega empresas. As máquinas Alpha já estavam em linha desde 1992 e eram a menina dos olhos da Digital, assim como os mainframes VAX já o tinham sido, nas décadas passadas. Entrar em uma concorrência competindo com os Alpha era certeza de tempo perdido para vendedores de outras empresas.

Pois bem, passaram-se mais quatro anos e, em 2002, foi a vez de a HP comprar a Compaq e incorporar a marca como linha de produtos de servidores. Os Alpha ficaram em venda até 2007, quando começaram a dar vez aos Blades e aos virtual servers. Mais de 1 milhão de processadores Alpha foram vendidos, e muitos ainda estão rodando na ativa por aí, gerando receita para a HP através de contratos de serviço e suporte.

Da mesma forma, e também lá no meio dos anos 1990, foi a vez de a IBM comprar a Lotus, principalmente para botar as mãos na plataforma de software chamada Notes/Domino. O Lotus Notes é realidade até hoje, sendo campeão de vendas em produtos de colaboração, e-mail e desenvolvimento de aplicações.

Esses dois movimentos que cito acima servem apenas para exemplificar que a tecnologia que hoje usamos já está obsoleta. O problema é que não dá tempo para os fabricantes lançarem todos os avanços que eles mesmos desenvolvem. Comercialmente não seria interessante para eles.

Vejam o caso dos chips de múltiplos núcleos. É uma febre que somente teve a sua temperatura um pouco arrefecida pela crise mundial, que bateu a porta desde setembro de 2008. Quem não quer ter um PC com chip de 2, 4 ou até mesmo 8 núcleos? Imaginem, então, um processador com 240 núcleos na sua mesa! Ou até mesmo na sua mochila!!!

Contrariando todo o mercado, a Nvidia lançou o desktop “Tesla”, com todo esse poder de fogo ao preço de 4 mil libras na Inglaterra. Decidiu enfrentar a adversidade com ousadia e informa que esta plataforma é capaz de realizar cálculos geológicos para perfuração de poços de petróleo, gás, aplicações CAD/CAM, dinâmica de fluidos, ciências biológicas etc. Aliás, seu nome comercial é “Tesla Supercomputer”.

Quem já viu uma máquina com chip Intel ou AMD quadcore rodando ficou com vontade de comprar. O que dizer, então, desta de nome Tesla. Não é à toa que faz lembrar o grande cientista Nikola Tesla.

Em 2007 a Intel prometeu, para 2012, um chip com 80 núcleos, do tamanho de uma unha. que fará mais de um bilhão de operações por segundo e que consome 60 watts. tal qual uma lâmpada elétrica. Possui 100 milhões de transistores em 275mm quadrados.

Também em 2007 a IBM anunciou ter desenvolvido um chip que possui a capacidade de transmitir 160 gigabits por segundo. É como se um filme em HD fosse todo projetado em 1 segundo.

O que se percebe, e não é de hoje, é que existe tecnologia disponível e guardada muito à frente do nosso tempo e que, por questões comerciais, é liberada aos poucos no mercado. Foi também o caso da tecnologia bluetooth, desenvolvida em 1994 e somente comercializada de uns anos para cá, quando o mundo estava pronto para recebê-la.

Será que estamos prontos para um desktop com 240 kernels?

As máquinas Alpha estavam há mais ou menos uns 10 anos à frente do seu tempo. O que se dizia à época é que a Digital não era tão boa de marketing quanto era de desenvolvimento tecnológico.

É assim, então, que estamos chegando ao fim da era do chip de silício e uma barreira física será transposta. A lei de Moore, que diz que a capacidade de processamento dobra a cada 18 meses, será, literalmente, revogada.

O salto que a informática dará daqui a uns poucos anos será quântico, e bem maior do que o representado pelo desenvolvimento da medicina nos últimos 60 anos. Veremos isso claramente quando chegarem os chips de carbono, cuja tecnologia fabricará circuitos orgânicos baseados em tamanhos moleculares. Verdadeiros chips de carbono que poderão ser do tamanho de um neurônio, com múltiplos núcleos.

Hoje já existem memórias flash para telefones celulares que armazenam 2 terabytes de dados (500 mil músicas). O que um chip molecular poderá processar e guardar?

Já está produzido em escala molecular no Instituto Renssealer, nos EUA, um nano chip de grafeno (carbono) que mede apenas um átomo de espessura e que possui desempenho 10 vezes maior do que um feito com silício. Outro fator a favor é que esses chips não aquecem como um feito de silício e contam com a abundância do carbono na natureza.

Será que estamos preparados para os neuro chips? Imagine o que pode ser liberado amanhã. Imagine também o que ainda não pode.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: